Ex-marido de mulher encontrada morta em matagal em Araras é preso suspeito de feminicídio

Corpo foi encontrado no domingo em avançado estado de decomposição e crime que teria ocorrido em 21 de novembro. Depoimento de suspeito teve contradições, diz polícia.

A Polícia Civil de Araras (SP) prendeu, na noite de terça-feira (4), o suspeito de ter matado Maria Helena Cardoso de Moura Magrini, de 48 anos, no dia 21 de novembro. O homem tem 52 anos e é ex-marido da vítima.

O casal tinha cinco filhos, um deles autista. O caso está sendo tratado como feminicídio.

Investigações

De acordo com o delegado do Setor de Investigações Gerais (SIG) Tabajara Zuliani dos Santos, a polícia decidiu chamar o marido para prestar esclarecimentos, uma vez que Maria Helena havia registrado um boletim de ocorrência contra ele no início do ano, pois o homem não aceitava o fim do relacionamento.

“O depoimento do marido estava sem pé nem cabeça, [tinha] várias contradições, ele estava muito frio, gelado”, afirmou o delegado.

A filha do casal registrou o desaparecimento no dia 29, informando que ela havia desaparecido no dia 22. “Em depoimento o suspeito disse tê-la visto a última vez no dia 22. Temos prova que os fatos se deram por volta das 18h30 do dia 21”, disse.

Carro

Outro motivo de suspeita do marido é o fato de, poucos dias após o crime, ele ter devolvido um carro modelo Ônix para a antiga proprietária com a justificativa de que não teria dinheiro para terminar de pagar o veículo.

A polícia constatou que o carro foi lavado duas vezes depois do crime. Um teste de luminol, substância que usada em conjunto com luz negra aponta materiais orgânicos como sangue, realizado na terça-feira, comprovou que havia sangue no veículo, na bolsa da vítima e na calça do suspeito, que também foram lavadas.

Agora a polícia aguarda o exame de DNA da vítima, que deve sair dentro de um mês. O delegado acredita que, com a quantidade de provas coletadas, em menos de 30 dias a polícia conseguirá finalizar o inquérito. “Os investigadores do SIG, tanto os mais novos quanto os mais antigos, trabalharam muito bem nesse caso”, declarou.

Fonte: G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *